Anuncie aqui!

Glenn Hughes

31 janeiro 2010
Felipe

http://www.savioursofrock.com/interviews/images/chuckwright.jpg

Texto de Marcelo Melgaço do Whiplash

Glenn Hughes nasceu em 21 de agosto de 1951 em Cannock, Inglaterra. Deixou a escola aos 15 anos para tocar guitarra em uma banda local antes de mudar para o baixo e começar a cantar.

No fim dos anos 1960 criou a banda Trapeze, que em sua formação clássica contava com Mel Galley na guitarra e Dave Holland na bateria. Lançaram os álbuns Trapeze (1969), Medusa (1971), e o excelente You Are The Music... We're Just The Band (1972).

Em 1973 ocupou o lugar de Roger Glover no Deep Purple, enquanto David Coverdale assume o posto de Ian Gillan – forma-se aí um dos mais poderosos “duos” vocais da história do rock. Com a participação de Glenn Hughes e Coverdale o Purple lança o espetacular Burn, seguido de Stormbringer e Come Taste the Band. Este último é um dos menos conhecidos e mais criticados trabalhos do Purple, com Tommy Bolin, grande amigo de Glenn Hughes assumindo o lugar de Ritchie Blackmore na guitarra. É o que tem maior influência de Glenn Hughes, inserindo elementos do funk no som da banda. Para alguns é um grande álbum, apesar de não ter a “cara” do Deep Purple.

Em 1977, após o fim desta formação do Purple, Glenn Hughes lança seu primeiro álbum solo – Play Me Out – em que demonstra de forma mais livre seu ecletismo musical, misturando jazz, soul, funk e pop ao rock. A partir daí, passa a colaborar com vários músicos.

Em 1982 lança, com seu colega guitarrista Pat Thrall, o álbum Hughes and Thrall – espetacular, mas que não teve o sucesso comercial esperado. Em 1985 canta como convidado no Run for Cover, de Gary Moore. Poucos sabem, mas Glenn Hughes foi vocalista do Black Sabbath, emprestando sua poderosa garganta a Seventh Star, álbum do BS de 1986 – pouco conhecido, mas fenomenal. Nesta época está pegando pesado na cocaína e álcool, tendo de ser substituído no meio da turnê do Black Sabbath por Ray Gillen (Badlands).

Em 1992, canta como convidado no álbum Face the Truth de John Norum, ex-guitarrista do Europe. No mesmo ano, lança seu segundo álbum solo – Blues. Daí em diante, livrando-se da dependência de álcool e drogas, passa a produzir como nunca, lançando um trabalho após o outro, todos de alto nível: From Now On (1994 – o mais pop de sua carreira), Burning Japan Live (1994 – ao vivo no Japão, com canções do Deep Purple e de sua carreira solo), Feel (1995 – grande influência do Funk e Soul, mas um disco de peso), Addiction (1996 – em que fala de sua dependência e posterior recuperação – um petardo), The Way It Is (1999 – um dos álbuns mais ecléticos da história do rock), Return of Crystal Karma (2000), A Soulful Christmas (2000 – CD com belas interpretações de músicas natalinas – pode crer).

Em 2001 lança Bulding the Machine, e em 2002, em parceria com Joe Lynn Turner, também ex-Deep Purple, lança o http – Hughes Turner Project, aclamado no Japão e muito bem recebido pela crítica, assim como a maioria de seus trabalhos anteriores. Em junho de 2003 lança Songs In The Key Of Rock, em que volta às suas raízes “setentistas”.

Glenn Hughes é um dos mais prolíficos músicos do Rock. Apesar disso, é pouco conhecido pelas novas gerações. Em 2003, é difícil pensar em alguém que esteja produzindo com tanta qualidade, consistência e gosto pelo que faz como ele. Fácil é constatar que, com mais de 50 anos, conta-se nos dedos de uma mão os vocalistas do rock em atividade cujas vozes comparem-se à sua. Alguns dizem que está cantando melhor que nunca. Não é à toa que é conhecido como The Voice of Rock.

Álbuns:
1993 - Blues- L.A. Blues Authority



1994 - Burning Japan Live



1995 - Addiction



1999 - The Way It Is



2000 - Feel Glenn Hughes



2003 - Songs in the Key of Rock



2004 - Soulfully Live in the City of Angels

0 comentários:

Postar um comentário

DESCRIÇÃO-AQUI.